11
Mar 11

O movimento ‘Geração à Rasca’, com manifestação marcada para a Avenida da Liberdade, em Lisboa no dia 12 de Março, rapidamente ultrapassou a própria organização e deixou de se limitar a ser uma simples demonstração de indignação pelos motivos apresentados pelo Protesto deste movimento.

No fundo tudo já havia começado no Facebook com artigos (‘posts’) e comentários individualizados, com a formação de alguns grupos de debate sobre a situação do país e era notável a forma apartidária com que muitos destes debates se faziam, havendo até comentários bem inteligentes que ‘sobrevoavam’ ideologias.

Este fenómeno começou a ganhar ‘asas’ com a aproximação e a campanha para as eleições para a Presidência da República, constatando-se haver quem defendesse a abstenção, outros o voto em branco, outros o seu candidato e até a discussão, nalguns casos bem introduzida, sobre o papel da Monarquia, assim como, respetivas comparações.

Tudo isto levou ao aparecimento de grupos e movimentos contra a corrupção na classe política, a sua promiscuidade com o poder económico, pondo-se em causa o sistema sócio económico e político em que vivemos.

Entretanto, muito se falou da América Latina, da Argentina e seu possível paralelismo com a nossa situação, de Hugo Chávez, quando começam as Revoluções Populares nos países árabes do Médio Oriente e do Norte de África, tal como aparece no YouTube o vídeo dos ‘Deolinda’ com o tema tocado e cantado ao vivo nos coliseus do Porto e de Lisboa, ‘Que Parva Que Eu Sou’, seguida da ‘resposta dos ‘Homens da Luta’ com ‘Que Esperto Que Eu Sou’.

Mas é do tema dos ‘Deolinda’ que vem a inspiração para o jovens que constituíram o movimento ‘Geração à Rasca’ ganharem força e levarem em frente o seu Protesto.

Após marcação de uma data para uma manifestação, logo os grupos e movimentos do Facebook deram o seu apoio, com alguns ajustes pelo caminho, sempre repudiando apoios e intervenções partidárias e de políticos, tentando evitar a ingerência em algo que era dos jovens e tinha a solidariedade dos menos jovens.

Passou a ser um movimento de TODOS E DE CADA UM!

Em vez de manifestação em Lisboa, muito mais capitais de distrito disseram que queriam estar na rua.

Assim que extravasou aquela rede social e começou a passar a barreira de alguns meios de comunicação social, uns porque era já impossível não noticiar, outros porque convinha tentar absorver este grande movimento para dentro do sistema e tentar controlá-lo, as várias forças e agentes políticos deste país iniciaram uma guerra para tentar ‘tomar de assalto’ e incutir ‘respeitinho’ nos organizadores, o que apesar da exposição mediática a favor de aparecer finalmente um fenómeno contra o falso sistema democrático que vivemos, vieram a ceder e passaram a apresentar-se ‘Politicamente Corretos’.

Só que o ‘Politicamente Correto é Socialmente Incorreto e Bestialmente Injusto’ e levou-nos onde estamos hoje!

Não vou aqui fulanizar os acérrimos defensores de um regime e de um sistema, alguns surpreendentes, que nos tem retirado cada vez mais liberdades e pão em nome de justificações obscuras que já nem se preocupam em nos dar, mas de um modo geral, todos, com algumas, muito poucas, honrosas exceções, mas sim perguntar quem e qual o partido que não tem responsabilidades no atual status quo de Portugal?

O que se passa em Portugal, não pode ser dissociado do que se passa no Mundo, porque o que começou já não vai parar, os Povos, melhor dizendo, as Pessoas já não querem viver mais assim, querem Qualidade de Vida e têm direito a ela!

Ninguém quer mais ouvir falar de excedentes de produção de bens alimentares enquanto ali ao lado há fome, esses que falam assim deveriam ser acusados e julgados por crimes contra a Humanidade!

Os que se corromperam e prejudicaram, por erros sistemáticos, os seus povos, devem ser acusados e julgados por lesarem os seus países!

Ninguém quer uma Europa, nem um Mundo assim!

Somos uma espécie do Planeta Terra com problemas, alguns de nós estão em extinção, outros em transformação genética, o clima, a poluição… BASTA!

O Presidente da República empossado logo no seu discurso apelou à participação da sociedade civil na vida de Portugal, não sabemos se bem ou se mal, pois não conhecemos bem a legitimidade da sua eleição, poderá até dividir os Portugueses, mas, sem dúvida, deu um empurrão para que mais gente esteja presente no dia 12 de Março nas diversas cidades onde se vão juntar Portugueses, um pouco à boleia, mas deu.

Mas todas estas interferências serviram para fazerem pessoa que tinham decido ir, já não irem, e, o contrário, muitos que nem tinham pensado ir, decidiram marcar presença.

O problema é que todos vão estar a olhar uns para os outros porque já ninguém confia em ninguém e isso é uma ‘vitória venenosa’ dos defensores do sistema tal como está, tudo muito ‘politicamente correto’!

Mas aconteça o que acontecer, o 12 DE MARÇO DE 2011 não acaba amanhã e será o que os Portugueses quiserem, porque PORTUGAL é um país DEMOCRÁTICO!

COM O EXEMPLO DE GANDHI EM PAZ E DE MANDELA, UNIDOS E PRONTOS A PERDOAR, MAS EXIGINDO JUSTIÇA, LÁ ESTAREMOS!

publicado por FV às 17:39
sinto-me: confiante!
tags:

arquivo
as minhas fotos
mais sobre mim
pesquisar
 
(O direito de autor é reconhecido independentemente de registo, depósito ou qualquer outra formalidade artigo 12.º do CDADC. Lei 16/08 de 1/4) (A registar no Ministério da Cultura - Inspecção - Geral das Actividades Culturais I.G.A.C. - Processo n.º 2079/09)